quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Poema


Na paixão de um homem, na inquietude

das feras, no vermelho

que o fio da lâmina provoca

o olho acostumado a perscrutar as máscaras

as almas, o que não se confessa.

Na origem profunda do ser

Onde tudo começa na sua luta contra o tempo

e contra a natureza em tudo há o desgaste

em tudo o conflito se apresenta raiz do ataque e defesa

há o mar, a fúria do mar

e a força da rocha que o enfrenta.

Bruna Lombardi

noite serena

bjo

Um comentário:

atever disse...

Olá! Eu hoje vim cá com o propósito de esclarecer um mal entendido acerca das casas camarárias e das casas clandestinas. Como entendo que são duas coisas completamente diferentes, deixei no meu post um longo comentário que espero seja esclarecedor.
Beijinhos.